Conheça o duo folk autoral Duas Casas


Inspirados na música folk dos anos 60 e 70, Bezão e Nô Stopa prepararam um álbum com canções inéditas, a partir dos arranjos de violões e vozes


Donos de trabalhos autorais, de produções independentes e atuantes na nova cena folk em São Paulo, os cantores e compositores Bezão e Nô Stopa lançam o projeto Duas Casas – encontro que potencializou as raízes e origens naturais de cada um, trazendo o melhor
de seus universos particulares, formando aqui uma unidade enriquecida pela soma de dois.


Com afinidade sonora aprimorada ao longo de um ano, a criação do Duas Casas se deu naturalmente, num processo onde o fazer artístico não era um fim em si, mas um meio de exercitar o que os dois têm em comum: o amor pela música e os pés fincados na simplicidade do universo folk – herança musical atribuída às suas famílias.

   

Inspirados na música folk dos anos 60 e 70, sob uma ótica contemporânea e brasileira, a dupla preparou um álbum com nove canções inéditas, a partir dos arranjos de violões e vozes, criados e interpretados por eles.
O disco, com previsão de lançamento para o segundo semestre, contou com instrumentos tradicionais do country/folk como baixo acústico, bateria, rabeca, piano, banjo, weissenborn e pedalstill.


Produzido de maneira independente, o projeto contou ainda com grandes parceiros para sua realização, dentre eles, Alexandre Fontanetti na produção musical e Felipe Camara, como co-produtor. Renato Godá e Roberta Campos, também vieram somar ao projeto, compositores parceiros em duas canções; além de músicos de destaque, como Curumim,
Fabio Sá, Thomas Rohrer, Adriano Grineberg e Adair Torres.

Aqui, os encontros, todos potentes, aconteceram pelo e para o folk.

O saldo é um disco cuidadosamente simples e intuitivamente elaborado.
ELE com 20 anos de carreira e uma forte influência regional em suas composições, combinada com outras sonoridades mais universais, foi um dos fundadores da banda Rossa Nova, tendo lançado dois álbuns e um DVD em cerca de 12 anos de história.

É também integrante fundador do Folk na Kombi, um dos principais nomes que integram o cenário folk nacional. Com pouco tempo de existência e muita bagagem, a banda lançou em 2015 o DVD “Um Filme de Música” e prepara – ainda para esse ano – o lançamento do segundo DVD “Folk na Kombi ao vivo no Auditório Ibirapuera”, com participações de Zé Geraldo e O Teatro Mágico.

ELA com também 20 anos de carreira e três discos lançados – o último deles, “Manifesto Poesia”, realizado através ProAC, que contou com participações de Zé Geraldo (seu pai), Roberta Campos e Chico Teixeira.
Integra a Banda Mirim (premiado grupo de teatro musical dedicado ao público infantil), desde sua criação, em 2004, atuando como cantora, compositora, atriz e artista circense. Integrou a trupe d’ O Teatro Mágico por dois anos.


TOCA RAUL 



Em agosto de 2018, a convite de Zé Geraldo, Duas Casas apresentou-se para mais de
cinco mil pessoas na já tradicional “Passeata Raul Seixas” em São Paulo. A ligação da
dupla com o repertório do roqueiro baiano vem de outros tempos.

Bezão, no início de sua formação musical, convivia e colaborava com uma banda cover
de Raul Seixas – chamada Novo Aeon. Nô Stopa é filha de Zé Geraldo, o menestrel
adotado pelos “malucos beleza” como o responsável pela continuidade da obra de
Raul Seixas na música popular brasileira.

Para a “Passeata Raul Seixas”, Duas Casas escolheu duas canções do repertório de
Raul. Trabalharam no arranjo e na harmonia vocal e presentearam o público com suas
versões de “Água Viva” e “Coisas do Coração”. Foi um momento catártico – para a
dupla e para o público presente.

E o que era apenas uma participação no show de Zé Geraldo tomou corpo e virou
projeto. O ano de 2019 marca o trigésimo aniversário do fim da passagem de Raul
Seixas por esse planeta. Bezão e Nô Stopa debruçaram-se então sobre o repertório do
baiano para garimpar canções, e elaborar um espetáculo para celebrar esse marco.

Além das canções que mais conversam com a memória afetiva da dupla – como
“Gente” e “Mata Virgem”, vieram também os “standards” – como “Cowboy Fora da
Lei” e “Metamorfose Ambulante”, mas que entregam ao público alguma novidade com
a singular sonoridade folk, que já é marca do Duas Casas.

O resultado é uma apresentação muito especial. Para os fãs de Raul Seixas, é uma
homenagem sincera e carinhosa. E para o público em geral, uma apresentação
sofisticada e bem cuidada baseada na obra de um dos grandes ícones da nossa música.